News

Ativistas nacionalistas cristãos lideram manifestação pró-Israel na Universidade de Columbia

NOVA IORQUE (RNS) – Na quinta-feira (25 de abril), o ativista nacionalista cristão e músico Sean Feucht, o pastor Russell Johnson e o autor conservador Eric Metaxas lideraram um comício pró-Israel na Universidade de Columbia em resposta ao “acampamento de solidariedade de Gaza” estabelecido por estudantes uma semana atrás.

O comício “Unidos por Israel”, anunciado nas redes sociais a partir de quarta-feira, tinha como objetivo mostrar apoio a Israel, estudantes e professores judeus. Atraiu uma multidão de algumas centenas, que circulou pelo campus de Columbia cantando hinos e orando sem entrar nos portões, em vez disso trocando slogans gritados e ameaças através das cercas de ferro da escola de Upper Manhattan.

A manifestação foi um sinal do crescente interesse do evangelicalismo político na política universitária em grande escala e nos protestos pró-palestinos nos campi em particular. No início da semana, o presidente da Câmara, Mike Johnson, um cristão evangélico, fez uma aparição em Columbia para condenar o anti-semitismo no campus e se reuniu com funcionários da escola para exigir a renúncia do presidente da Columbia, Minouche Shafik.

A manifestação foi considerada uma tentativa de “resgatar a Universidade de Columbia”, nas palavras de Feucht, que ganhou notoriedade durante a pandemia da COVID-19 por realizar concertos de adoração em protesto contra as restrições às reuniões. Ele organizou o comício com Russel Johnson, o pastor principal conservador da Igreja Pursuit NW, e Metaxas, um negador das eleições de 2020 e apoiador do ex-presidente Donald Trump. Metaxas, que escreveu uma biografia em 2010 do teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer, que foi executado por se opor a Hitler na Segunda Guerra Mundial, carregava um pôster com a imagem de Bonhoeffer durante o evento de quinta-feira.



Feucht deu início ao evento entoando o hino cristão “Quão grande é o nosso Deus” antes de abençoar a multidão e orar por Israel. “Hoje, dizemos que basta. Esta agenda anticristo e antissemita que surgiu na cidade de Nova Iorque, que surgiu nas universidades”, disse ele.

O músico Sean Feucht, centro-esquerda, toca violão durante a marcha “Unidos por Israel” na Universidade de Columbia, quinta-feira, 25 de abril de 2024, em Manhattan, Nova York. Eric Metaxas, traseiro direito segurando o pôster, ajudou a organizar o evento. (Foto RNS/Fiona André)

No dia anterior, numa transmissão ao vivo, Feucht disse que houve um aumento do anti-semitismo nos campi devido aos protestos estudantis pró-palestinos e que era um sinal de que o fim dos tempos estava próximo.

“Estamos vendo esse aumento e essa onda de antissemitismo em todo o mundo. Estes são os últimos dias. Eu sei que as pessoas dizem isso o tempo todo, e todo mundo está dizendo que isso é o fim do dia. …Bem, estes são os últimos dias e estamos um dia mais perto do retorno de Jesus”, disse ele.

Acrescentando que a guerra Israel-Hamas é “uma destas questões do fim dos tempos”, Feucht disse que os cristãos precisam de “acertar” ao aliar-se a Israel. Lendo em voz alta um versículo do capítulo 12 do Livro do Gênesis da Bíblia referindo-se à aliança de Deus com Abraão, Feucht disse que era um dever cristão apoiar Israel.

Feucht então liderou os manifestantes em uma procissão ao redor do campus Morningside Heights de Columbia. A marcha deles, afirmou ele, refletia a do exército de Josué circundando as muralhas de Jericó, conforme narrado no Livro de Josué. Alguns manifestantes tocaram shofares, trompas musicais usadas em cerimônias religiosas judaicas, imitando a história bíblica.

Noreen Ciano, uma cristã de 63 anos de Nova Jersey, fechou os olhos e orou em línguas enquanto marchava.

“Eu estava orando pela paz. Eu estava orando pela presença do Senhor neste lugar”, disse ela ao Religion News Service.

Cristã não denominacional, Ciano é membro da Igreja Internacional House of Prayer Eastern Gate, para a qual apresenta um programa de rádio. Como cristã, disse ela, apoiar Israel deveria ser uma decisão fácil, já que “toda a Bíblia é centrada em Israel”.

Manifestantes “Unidos por Israel”, à esquerda, interagem com membros do grupo hassídico anti-sionista Neiturei Karta, à direita, perto da Universidade de Columbia, quinta-feira, 25 de abril de 2024, em Manhattan, Nova York. (Foto RNS/Fiona André)

Manifestantes “Unidos por Israel”, à esquerda, interagem com membros do grupo hassídico anti-sionista Neturei Karta, à direita, perto da Universidade de Columbia, quinta-feira, 25 de abril de 2024, em Manhattan, Nova York. (Foto RNS/Fiona André)

Alguns na multidão agitavam bandeiras israelitas e americanas e gritavam: “Tragam-nos para casa”, em referência aos estimados 130 reféns que ainda se pensa estarem detidos pelo Hamas desde os ataques de 7 de Outubro.

Ao longo do caminho, os manifestantes encontraram membros do grupo hassídico anti-sionista Neturei Karta, que seguravam cartazes que diziam “O Judaísmo rejeita o Sionismo e o Estado de Israel”. Ativistas cristãos pró-palestinos também entraram em confronto com a multidão, alguns deles carregando cartazes que diziam “Jesus jaz sob os escombros na Palestina”.

No final do comício, a marcha enfrentou estudantes manifestantes pró-palestinos nos portões do campus na Avenida Amsterdã e na Rua 116, num confronto tenso. Os dois grupos gritaram um com o outro através dos portões, e a multidão pró-Israel cantou o hino israelense e “God Bless America”.

Membros da Passages, uma organização cristã pró-Israel que planeja “viagens cristãs por direito de primogenitura” à Terra Santa, trouxeram cartazes que diziam “Os cristãos estão com Israel”.

Ariel Kohane, um judeu ortodoxo moderno que usava um quipá impresso com o nome de um grupo ativista judeu, Jovens Conservadores Judeus, sob um boné vermelho “Trump estava certo”, disse que o apoio dos manifestantes aos sionistas cristãos foi muito apreciado neste momento em a guerra em Gaza.

Ariel Kohane participa da marcha “Unidos por Israel” na Universidade de Columbia, quinta-feira, 25 de abril de 2024, em Manhattan, Nova York. (Foto RNS/Fiona André)

Ariel Kohane participa da marcha “Unidos por Israel” na Universidade de Columbia, quinta-feira, 25 de abril de 2024, em Manhattan, Nova York. (Foto RNS/Fiona André)

Ele também elogiou os esforços de outros grupos evangélicos, como o Christian United for Israel e o seu líder, o pastor John Hagee, que encabeçou um comício por Israel no final do ano passado em Washington. “Compartilhamos opiniões políticas conservadoras e valores religiosos. Somos aliados e trabalhamos juntos, de mãos dadas. É tão maravilhoso que eles estejam lado a lado conosco, ombro a ombro”, disse Kohane.

Kohane, que mora perto do campus de Columbia, denunciou o “acampamento de solidariedade de Gaza” e disse que a situação deveria levar os doadores a retirarem o financiamento da instituição. Ele disse que Shafik deveria renunciar devido à má gestão da situação.

Anya Andreeva, uma cristã que mora no Brooklyn, veio orar e apoiar Israel. Ela disse que ouviu falar da manifestação no Facebook, mas garantiu que seria uma manifestação pacífica focada na oração antes de decidir comparecer. Ela examinou os organizadores antes de vir.



“Eu vi o suficiente para confiar. Faço questão de não ficar do lado de nada que use o cristianismo como promoção de qualquer tipo de agenda”, disse ela.

A manifestação terminou com uma sessão de oração. A multidão orou pela “salvação e segurança” dos reféns e abençoou os participantes judeus que compareceram.

“Senhor, oramos ainda esta noite para que um milagre aconteça, um milagre em todo o Oriente Médio”, disse Feucht.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button