News

Número de mortos nas inundações no Quênia sobe para 70 desde março

Mais de 120 mil pessoas foram deslocadas, diz o governo queniano, com outras 22 feridas e oito desaparecidas.

As inundações e as fortes chuvas no Quénia mataram pelo menos 70 pessoas desde meados de Março, segundo um porta-voz do governo, o dobro do que foi relatado no início desta semana.

O Quénia e outros países da África Oriental — uma região altamente vulnerável às alterações climáticas — foram fustigados por fortes chuvas nas últimas semanas.

“O número oficial de compatriotas quenianos que lamentavelmente perderam a vida devido à situação das inundações é agora de 70 vidas”, disse o porta-voz do governo, Isaac Mwaura, no X na sexta-feira, depois de chuvas torrenciais terem matado 32 pessoas na capital Nairobi esta semana.

Quinze pessoas morreram na região do Vale do Rift, informou também o governo num relatório divulgado na sexta-feira, após uma reunião do comité de resposta a catástrofes do país.

Mais de 120 mil pessoas foram deslocadas pelas inundações, segundo o relatório, com outras 22 feridas e oito dadas como desaparecidas.

O governo propôs 3,3 mil milhões de xelins quenianos (24,5 milhões de dólares) para uma “resposta inicial de emergência”, que inclui a reparação de infra-estruturas, habitação de emergência e assistência alimentar.

Pessoas carregam pertences recuperados de suas casas após as enchentes em Nairóbi [Luis Tati/AFP]

Sessenta e quatro escolas públicas em Nairobi – quase um terço do número total na capital – foram “substancialmente afectadas” pelas inundações, disse Belio Kipsang, o principal secretário da Educação.

No entanto, o vice-presidente Rigathi Gachagua disse que “as escolas reabrirão conforme programado” após as férias intercalares deste mês.

Os quenianos foram alertados para permanecerem em alerta, com previsão de mais chuvas fortes em todo o país nos próximos dias, à medida que as monções atingem a África Oriental.

As inundações foram agravadas pelo padrão climático El Niño.

Um padrão climático natural normalmente associado ao aumento do calor em todo o mundo, o El Nino pode causar secas em algumas partes do mundo e chuvas fortes em outros lugares.

Destruição regional

Entretanto, pelo menos 155 pessoas morreram em inundações e deslizamentos de terra na vizinha Tanzânia.

O primeiro-ministro da Tanzânia, Kassim Majaliwa, disse na quinta-feira que mais de 200 mil pessoas foram afetadas pelo desastre.

Ele disse que casas, propriedades, colheitas, bem como infra-estruturas, incluindo estradas, pontes, caminhos-de-ferro e escolas, foram danificadas ou destruídas.

No Burundi, cerca de 96 mil pessoas foram deslocadas por meses de chuvas implacáveis, afirmaram este mês as Nações Unidas e o governo.

A agência humanitária da ONU (OCHA) informou numa actualização esta semana que na Somália, as chuvas sazonais de Gu de Abril a Junho estão a intensificar-se, com inundações repentinas relatadas desde 19 de Abril.

Ele disse que quatro pessoas teriam sido mortas e mais de 800 pessoas foram afetadas ou deslocadas em todo o país.

O Uganda também sofreu fortes tempestades que provocaram o rompimento das margens dos rios, com duas mortes confirmadas e várias centenas de aldeões deslocados.

No final do ano passado, mais de 300 pessoas morreram devido a chuvas torrenciais e inundações no Quénia, na Somália e na Etiópia, numa altura em que a região tentava recuperar da pior seca das últimas quatro décadas, que deixou milhões de pessoas com fome.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button